Do total, 184 mil unidades são destinadas a famílias integrantes dos cadastros habitacionais, em todos os estados brasileiros. As demais 3,5 mil serão destinadas a famílias que tenham perdido seu único imóvel por emergência ou estado de calamidade pública, ou pela realização de obras públicas federais, nos estados do Acre, Amazonas, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Inicialmente, a meta de construção de moradias com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) era de 130 mil unidades habitacionais. O governo, no entanto, ampliou o número para 187,5 mil.

As propostas atendem os novos critérios do programa como, por exemplo, proximidade dos centros urbanos, melhorias nas especificações dos imóveis, infraestrutura de qualidade, varanda e salas para biblioteca.

Os projetos escolhidos foram enviados pelos governos estaduais, prefeituras e por construtoras.

Divisão por estados:

Unidades Federativas – Unidades do MCMV

  • Acre – 1.620
  • Amapá – 1.750
  • Amazonas – 6.350
  • Pará – 13.610
  • Rondônia – 2.020
  • Roraima – 1.750
  • Tocantins – 1.690
  • Alagoas – 5.610
  • Bahia – 18.380
  • Ceará – 10.230
  • Maranhão – 15.970
  • Paraíba – 6.170
  • Pernambuco – 10.130
  • Piauí – 5.700
  • Rio Grande do Norte – 4.600
  • Sergipe – 3.950
  • Espírito Santo – 2.280
  • Minas Gerais – 15.960
  • Rio de Janeiro – 11.460
  • São Paulo – 21.000
  • Paraná – 5.200
  • Rio Grande do Sul – 5.200
  • Santa Catarina – 1.610
  • Distrito Federal – 980
  • Goiás – 6.900
  • Mato Grosso – 2.530
  • Mato Grosso do Sul – 1.720

Share this post:

Related posts:
A decisão do STF que pode baratear a taxa de transferência de imóveis

STJ já votou de forma favorável à medida e o caso agora está nas mãos do Supremo