Cristiane Poleto
Brasília DF - 21/09/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

Primeiro lançamento imobiliário do Noroeste vende 92% dos apartamentos em apenas três dias

31/08/09

Bookmark and Share

25/08/2009 - A demora de mais de 20 anos até o lançamento do Setor Noroeste e a escassez de terrenos no Plano Piloto fizeram a expectativa em torno do bairro crescer rapidamente. Por conta disso, construtoras e corretores de imóveis previam uma grande demanda pelos novos empreendimentos da região. Mas nem os mais otimistas poderiam imaginar a movimentação que o mercado imobiliário de Brasília registrou desde sábado, quando a Brasal Incorporações lançou as vendas do primeiro prédio do Setor Noroeste. Com preços em torno de R$ 1 milhão, 92% dos 84 apartamentos foram comercializados em apenas três dias. Até o fechamento desta edição, os seis imóveis restantes estavam reservados e faltava apenas a conclusão do negócio. O preço do metro quadrado superou as previsões. Em algumas unidades, o valor é superior a R$ 9 mil.


O que mais impressiona os especialistas é que a venda de um prédio praticamente inteiro ocorreu sem a necessidade de montagem de estande e divulgação. Não houve tempo nem mesmo para anúncios. Os corretores entraram em contato com os interessados que haviam se cadastrado e, logo depois, foi registrada uma corrida aos pontos de venda. Também chama atenção o fato de as obras de infraestrutura não terem sequer começado. O futuro Setor Noroeste ainda é uma enorme área de cerrado, mas o preço do metro quadrado já bate recordes.


O edifício, que recebeu o nome de Reserva Noroeste, será o Bloco A da SQNW 311. Todos os apartamentos são vazados, de três ou quatro quartos, com área entre 127m² e 318m². O imóvel mais barato custou R$ 942 mil e o mais caro — uma cobertura privativa — saiu por R$ 2,5 milhões. Apesar do preço salgado, as condições de pagamento eram atrativas: parcelamento em até 120 vezes, com 8% de entrada. O preço médio do metro quadrado ficou em R$ 8,2 mil. Os apartamentos serão entregues em, no máximo, 40 meses. O prazo é um pouco maior do que os normalmente fixados para lançamentos na planta porque o Noroeste ainda não tem infraestrutura.


Primeiro comprador

O economista Atízio Carlos Rezende Junger, 50 anos, foi o primeiro comprador de um imóvel no futuro bairro. Ele chegou ao ponto de venda às 8h do sábado, depois de ser informado sobre o lançamento na sexta-feira à noite. Atízio comprou o imóvel de três quartos como investimento e espera uma grande valorização. “Esse conceito ecológico do Noroeste vai ser o grande diferencial. Eu já estava no cadastro de reserva e, assim que me ligaram, decidi fechar o negócio”, conta o economista.


Quem também comprou um apartamento de três quartos foi o administrador de empresas Antônio Simões Ramos, 39 anos. Ele decidiu investir em imóveis no Setor Noroeste. Mas morar no bairro também é um objetivo. “Meu grande sonho de consumo é comprar uma cobertura no Noroeste. Como ainda não tenho capital para isso, decidi começar com um apartamento de três quartos”, explica o administrador. “A valorização vai depender da infraestrutura. Minha expectativa é de que a urbanização seja feita rapidamente”, acrescenta Antônio, também um dos primeiros compradores.


O 2º Ofício de Registro de Imóveis do DF liberou o memorial de incorporação (2)do edifício no final da tarde de sexta-feira. Já no sábado pela manhã, a Brasal Incorporadora e a Lopes Royal Empreendimentos, responsável pela venda juntamente com a construtora, começaram a receber os clientes.


Sucesso

O diretor da Lopes Royal, Marco Antônio Demartini, conta que a expectativa do grupo era justamente por uma demanda expressiva. “Temos 34 anos de atuação e conhecemos bem a força do mercado de Brasília. Tinha certeza de que seria um sucesso, já que temos uma demanda reprimida”, explica Demartini. “A oferta para o Plano Piloto está muito pequena. As pessoas estavam esperando com ansiedade pelos primeiros lançamentos no Noroeste”, acrescenta o diretor da Lopes Royal.


Para o gerente comercial da Brasal Incorporações, Luiz Henrique Alves Martinez, a tendência é de que o preço suba a cada lançamento. “Um estande de venda, por exemplo, custa mais de R$ 1 milhão. Isso tem que ser embutido no preço dos imóveis mas, no nosso caso, não foi necessário”, destaca Luiz Henrique. Ele diz que não se surpreendeu com o resultado. “Nossa proposta foi oferecer apartamentos com plantas como as de antigamente. Os imóveis são grandes e vazados”, justifica o gerente comercial. Outro diferencial dos novos prédios é o investimento forte em áreas de lazer e, pelo menos, duas vagas de garagem para cada unidade.


Depois do primeiro lançamento, a tendência é de uma oferta expressiva de imóveis no Noroeste a partir de agora. A Via Engenharia foi a primeira a obter a aprovação dos projetos, mas ainda aguarda a aprovação do memorial de incorporação para lançar seus empreendimentos. “Nossa ideia é lançar quatro edifícios de uma vez, para que os clientes tenham um leque grande de escolha. Em nossos cadastros, já temos mais de 2 mil pessoas interessadas”, conta o diretor de Incorporação da Via, Tarcísio Leite. A expectativa da empresa é conseguir a documentação na semana que vem.


O Setor Noroeste terá 220 prédios residenciais distribuídos e 198 unidades comerciais. A Companhia Imobiliária de Brasília já licitou 64 projeções até agora, 54 delas residenciais. A venda rendeu R$ 675 milhões aos cofres públicos. A maioria das construtoras que arremataram lotes já apresentaram projeto de construção à Administração de Brasília — que é responsável pela análise. Para ganhar alvará, a empresa tem que desenvolver um projeto de acordo com o conceito ecológico do novo bairro. Os edifícios têm sistemas modernos de captação de luz solar e recolhimento de lixo a vácuo.




Brasília Revisitada

O urbanista Lucio Costa previu o Setor Noroeste no documento Brasília Revisitada, de 1987. Desde então, o governo e os empresários investiram para a elaboração dos estudos de impacto ambiental e dos projetos urbanísticos até que o bairro fosse lançado, em janeiro deste ano.




Documentação

A emissão do memorial de incorporação pelo cartório precede o início das vendas e da construção do empreendimento. A empresa tem que apresentar ao cartório uma série de documentos como a prova da propriedade do terreno, projeto de construção aprovado pelo governo, certidões negativas de impostos, cálculo da área das edificações, além da discriminação detalhada do acabamento e material a ser utilizado na construção.




Noroeste em R$


- Apartamento mais barato

3 quartos, poente, 1º andar, unidade de meio, com 127m²: R$ 942 mil, ou R$ 7,4 mil o metro quadrado.


- Apartamento mais caro

Cobertura privativa de 318 m²: R$ 2,5 milhões ou R$ 7,8 mil o metro quadrado.


- Metro quadrado mais caro

Apartamento de 5º andar, 4 quartos, de canto, nascente, com 158m²: R$ 1,4 milhão, ou R$ 9 mil o metro quadrado.


Helena Mader - Do Correio Braziliense

Fonte: http://noticias.lugarcerto.com.br

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011