Cristiane Poleto
Brasília DF - 22/07/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

Fila de Espera para o Noroeste

06/08/09

Bookmark and Share

 


HABITAÇÃO

Fila de espera para o Noroeste



Em apenas uma construtora, 1,5 mil pessoas já se cadastraram como interessadas em imóveis no novo setor. Empreiteiras reclamam de atraso nas obras de infraestrutura, pois, até agora, nem uma rua foi aberta no local

· Helena Mader





Nem mesmo os preços milionários afugentam os clientes do mercado imobiliário brasiliense. As vendas de apartamentos no Setor Noroeste ainda nem começaram, mas a movimentação dos consumidores já impressiona. Empresas com projeções no futuro bairro começaram a cadastrar os potenciais compradores. Em poucos dias, houve uma corrida por informações sobre o setor. Na Via Engenharia — que tem quatro dos oito projetos aprovados até agora — 1,5 mil pessoas interessadas se cadastraram em duas semanas. A expectativa é que a venda dos primeiros imóveis tenha início até o fim de setembro.



O registro de futuros clientes é feito no site das empresas ou em estandes de venda. O cadastramento não funciona como reserva de negócio. Serve apenas para as construtoras alertarem os clientes no momento do lançamento das vendas. Mas a grande procura dos brasilienses por moradia ou opções de investimento surpreendeu até mesmo os executivos das incorporadoras da cidade.



Alguns fatores atrasaram o início das construções e o lançamento dos primeiros prédios. Um dos problemas é a lentidão das obras de infraestrutura. Os 821 hectares de área do futuro bairro ainda não têm rua aberta e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) não iniciou a construção das redes de drenagem, esgotamento e água. Isso deveria ter sido feito pouco depois da licitação das primeiras projeções, ocorrida em março.



O presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário, Adalberto Valadão, destaca que a expectativa do setor é que as obras do Noroeste saiam do papel em breve. “Não dá para começar a vender nada hoje, como o cliente vai comprar um apartamento sem a garantia de que terá asfalto e estacionamento na porta?”, questiona Adalberto. “É inviável apresentar uma área no meio do mato para o comprador.”



O investimento maciço em infraestrutura foi uma garantia do governo no momento do lançamento do Setor Noroeste. Os representantes da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) afirmaram que as empresas não viveriam os mesmos problemas enfrentados no Setor Sudoeste. Lá, os prédios ficaram prontos e os apartamentos foram vendidos quando nem havia asfalto nas ruas. A região ficou conhecida durante anos como Barroeste.



Tratores disponíveis



O diretor técnico da Terracap, Luís Antônio Reis, garante que a falta de infraestrutura não será um empecilho para as empresas com lotes no Noroeste. A licitação para a construção do sistema viário, da drenagem pluvial e dos sistemas de água e esgoto já foi lançada. “A abertura das propostas será em 31 de agosto. A expectativa é que as obras comecem até setembro”, conta. “Mas a Novacap já disponibilizou tratores e patrulhas para fazermos a abertura de ruas a partir da semana que vem. Assim, as empresas com projetos aprovados poderão começar suas obras”, frisa Reis.



O presidente da incorporadora Lopes Royal, Marco Antônio Demartini, destaca a necessidade da execução da infraestrutura. “Como vamos vender uma unidade se não é possível nem mesmo mostrar a área?” A empresa, que trabalha em parceria com 30 construtoras da cidade, também está cadastrando interessados no novo bairro. “A procura é enorme, mas não podemos vender nada ou reservar apartamentos antes de registrar o memorial de incorporação em cartório”, justifica. Estima-se que 40 mil pessoas viverão no Noroeste.



A Via Engenharia, dona da metade das projeções já aprovadas, espera começar a vender os imóveis até o fim do mês que vem. A empresa fará um prédio com apartamentos de três quartos e três edifícios com unidades de quatro dormitórios nas quadras SQNW 110, 111 e 311. Segundo o diretor de Incorporação da Via, Tarcísio Leite, a empresa se surpreendeu com tantas pessoas em busca de informações sobre o setor. “Sabemos que nem todos os 1,5 mil cadastrados se tornarão compradores — mesmo assim, o número é muito expressivo”, finaliza.





1 - LICITAÇÕES

Desde março, a Terracap não inclui lotes no Noroeste em seus editais de licitação. Até agora, 54 lotes para prédios residenciais e 11 terrenos comerciais foram vendidos, o que rendeu R$ 675 milhões aos cofres públicos. A companhia pretendia vender uma quadra na licitação de agosto, mas a diretoria decidiu esperar mais um pouco. Não há expectativa de quando as licitações serão retomadas.




O bairro



20 quadras residenciais



220 prédios residenciais



5 entrequadras comerciais



195 prédios comerciais



8 projetos de edifícios residenciais já aprovados pela Administração de Brasília



10 projetos ainda estão em análise



R$ 8 mil é o preço estimado do metro quadrado nos apartamentos prontos





O processo



Trâmite para a construção de prédios e venda de apartamentos no Noroeste:

· As empresas interessadas participam da licitação pública e arrematam as projeções.

· Com o documento do terreno em mãos, as construtoras têm que elaborar o projeto de engenharia do prédio. É preciso seguir regras rígidas, já que o Setor Noroeste terá o perfil de um bairro verde, com aproveitamento de luz solar e sistema de lixo a vácuo. O projeto de engenharia tem que ser avaliado pela Administração de Brasília. Se tudo estiver de acordo com as normas de gabarito do bairro, o documento é aprovado.

· Com o projeto em mãos, o empreendedor precisa fazer um contrato com a Procuradoria do DF para poder usar áreas públicas no subsolo e no espaço aéreo, com a construção de garagens e varandas.

· Por fim, a empresa leva a documentação completa ao cartório. Se o ofício de registro de imóveis aceitar a papelada, efetiva o registro do memorial de incorporação. A partir daí, a construtora pode começar as obras e tem autorização para vender os apartamentos na planta.

· Todo esse processo leva, no mínimo, três meses, para ser concluído.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011