Cristiane Poleto
Brasília DF - 23/09/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

A nova geração de corretores - Lopes Royal

18/06/12

Bookmark and Share

A nova geração de corretores

O perfil do profissional do setor imobiliário mudou ao longo dos anos. O que se vê atualmente são intermediários que buscam na construção civil uma profissão séria e rentável. As mulheres também ganham espaço e cada vez mais se destacam na atividade


Profissionais que atuam na corretagem agora dispõem de estruturas com tecnologia de ponta, o que otimizou os resultados


Foto: Sandro Araújo

Profissionais que atuam na corretagem agora dispõem de estruturas com tecnologia de ponta, o que otimizou os resultados

Há alguns anos, ser corretor imobiliário não passava de opção para complementação de renda. A atividade não era levada tão a sério pelos trabalhadores no setor. Hoje, com o crescimento pujante do mercado imobiliário, a profissão é uma das mais promissoras e procuradas por quem quer alcançar boa remuneração.


Daniela Demartini, diretora de gestão de pessoas da Lopes Royal Investimentos Imobiliários, diz ser notória a redução de aventureiros na profissão. Aqueles que ingressam na atividade buscam um trabalho sério e fixo, e um dos motivos para essa mudança é a remuneração. “De três anos para cá, é muito maior o número de pessoas que deixam carreiras para entrar no ramo e permanecem em definitivo. Há casos até de aposentados que apostaram na corretagem”, destaca. Em contrapartida, há quem não dê conta do recado e precise ir em busca de outra atividade.


Para acompanhar a mudança no perfil dos corretores, as empresas fizeram novos planejamentos a fim de garantir a estabilidade e a satisfação do seu colaborador. Na Lopes Royal foram feitas algumas adequações como bonificações para os que se destacam na atividade. “Temos sorteios de viagens, carros de luxo e apartamentos para beneficiar nossos colaboradores. Quando isso é divulgado, chama tanto a atenção dos que estão de fora que estes têm vontade de ingressar na carreira”, revela Demartini.


Outra preocupação da empresa é no preparo daqueles que não têm experiência mas demonstram interesse na profissão. “Hoje recebemos pessoas que nunca trabalharam na área. Com eles, temos um cuidado específico de preparar para o mercado, promovendo palestras e oferecendo a universidade que treina e capacita. Nossa preocupação é formar pessoas com interesse e determinação necessários”, alerta. Além disso, a diretora ressalta: “O sucesso no setor está no interesse, na boa vontade e na garra”.


Mulheres conquistam espaço no mercado


Marcela Arruda trocou a carreira jurídica pela corretagem e não se arrepende: ''O sucesso depende de cada um de nós''


Foto: Toninho Tavares

Marcela Arruda trocou a carreira jurídica pela corretagem e não se arrepende: ''O sucesso depende de cada um de nós''

A chegada das mulheres no ramo da construção civil se deu de maneira bastante eficaz. De acordo com levantamento realizado pelo Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci) e pelo Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Distrito Federal (Creci-DF), a mão de obra feminina já representa cerca de 32,7% dos 260 mil profissionais em atividade no país. Para João Teodoro, daqui aproximadamente 10 anos esse número será igual ou maior que o de homens.


Daniela Demartini conta que a chegada das mulheres foi bastante relevante para as instituições da construção civil. “Podemos dizer que o diferencial ocorreu de uns sete anos para cá. Desde esse período elas realmente começaram a competir de verdade com os homens no que diz respeito a resultados. Nosso quadro de corretores é 46% formado por mulheres”, contabiliza.


Daniela percebeu que o número de mulheres no setor é semelhante ao de homens 

Foto: Rúbio Guimarães

Daniela percebeu que o número de mulheres no setor é semelhante ao de homens

A bacharel em direito Marcela Arruda abriu mão da carreira jurídica para entrar no setor da corretagem. Ela conta que o fato de ser mulher não atrapalhou na profissão. “O sucesso só vem com muita dedicação e trabalho. Depende só de você”, recomenda. Daniela Demartini, por sua vez, percebeu que homens e mulheres estavam em um número nivelado. A diferença foi no desenvolvimento do trabalho da mulher que se profissionalizou mais, sendo mais organizada e dedicada, e por isso conseguindo alcançar melhores resultados figurando sempre entre os campeões. “Acredito que a mulher consiga se destacar por ser mais dedicada. Nós nos atemos muito mais aos detalhes e isso faz total diferença na hora de vender um imóvel”, pondera.


Alcançado o sucesso profissional, ela garante que a carreira escolhida lhe trouxe benefícios e satisfação. “Foi no mercado imobiliário que fiz minha estabilidade financeira. Tenho um padrão excelente de vida, carro novo, viagens, tudo proporcionado pelo meu trabalho”, conta, satisfeita. Além disso, Marcela foi promovida devido ao bom desempenho. Está ha quatro anos à frente de uma equipe de vendas, na qual auxilia com toda a experiência para cerca de 30 corretores de imóveis.


Cenário favorece o exercício profissional

As condições mercadológicas são favoráveis para o ramo. João Teodoro, presidente do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci), lembra que, de cinco anos para cá, houve uma mudança significativa no mercado: a área tornou atraente às pessoas com qualificação. Isso fez com que aqueles descapacitados fossem em busca de preparo para não ficarem para trás. “Houve uma modificação visível nos últimos anos. Hoje a qualidade do serviço está bem maior, pois o cenário imobiliário pede isso”, observa João Teodoro.


Teodoro enfatiza a importância que os últimos anos trouxeram ao setor 

Foto: Rose Brasil

Teodoro enfatiza a importância que os últimos anos trouxeram ao setor

Em 1978 foi regulamentado que, para atuar no setor, era preciso o antigo segundo grau completo, hoje chamado de ensino médio. A meta era fazer com que em cinco ou seis anos fosse exigido um curso superior para todos os profissionais da área. A chegada de pessoas jovens também é notável na profissão. Há 15 anos, a idade média desses profissionais era de 51 anos. Hoje, a faixa etária é de 35. Teodoro destaca que os jovens são mais aceitos na tecnologia, o que consequentemente muda o perfil de atuação do profissional. 

Fonte: http://comunidade.maiscomunidade.com/conteudo/2012-06-02/imoveis/6710/A-NOVA-GERACAO-DE-CORRETORES.pnhtml

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011