Cristiane Poleto
Brasília DF - 20/01/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

Setor Noroeste - Brasília DF - Saiba mais sobre o Parque Burle Marx

13/02/12

Bookmark and Share

Parque Burle Marx – Noroeste


Quem foi Roberto Burle Marx? Roberto Burle Marx foi um dos maiores paisagistas do nosso século, distinguido e premiado internacionalmente. Artista de múltiplas artes, foi também, desenhista, pintor, tapeceiro, ceramista, escultor, pesquisador, cantor e criador de jóias, sensibilidades que conferir m características específicas a toda a sua obra. Nasceu em São Paulo, em 4 de agosto de 1909, passando a residir no Rio de Janeiro a partir de 1913. De 1928 a 1929 estudou pintura na Alemanha, tendo sido freqüentador assíduo do Jardim Botânico de Berlim, onde descobriu, em suas estufas, a flora brasileira. Seu primeiro projeto paisagístico, foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932, passando a dedicar-se ao paisagismo, paralelamente ã pintura e ao desenho. Em 1949, com a compra de um sítio de 365.000 m2, em Barra de Guaratiba, no Rio de Janeiro, organizou uma grande coleção de plantas. Em 1985 doou esse Sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.


Em 1955 fundou a empresa BURLE MARX & CIA LTDA, pela qual passou a elaborar projetos de  paisagismo, fazer a execução e manutenção de jardins residenciais e públicos. Desde 1965, até seu falecimento, contou com a colaboração do arquiteto Haruyoshi Ono.


Roberto Burle Marx faleceu no dia 4 de junho de 1994, no Rio de Janeiro, aos 84 anos.



Parque Burle Marx - Com uma área de 280ha, 1/3 dessa área servirá para estudo e preservação de espécies nativas do cerrado, sendo acessadas apenas para grupos de estudos e visitas dirigidas, 2/3 com livre acesso. Terá 04 grandes lagoas, sendo 02 paisagísticas e 02 para contenção de águas pluviais, antes de serem dirigidas para o Lago Paranoá, evitando assim a erosão.



 


1 – Jardim Botânico Burle Marx: Jardim com espécies do cerrado compondo uma tapeçaria. Ao lado será construído um Museu Vivo do Cerrado onde funcionará o Centro Educacional Ambiental


2 – Portais: Nas laterais de acesso a Asa Norte e ao Noroeste serão construídos estacionamentos, guaritas, espaço da criança, quadras poliesportivas, banheiros, lanchonetes como ponto de convivência.


3 – Espaço Brennand e Krajcberg: Homenagem a 2 artistas um pernambucano e outro polonês naturalizado brasileiro. No centro um grande espelho d’agua.


4 – Viva o Povo Brasileiro: Principal atração do parque será um ponto de convergência. Uma área de 300m de cada lado. Uma enorme maquete em forma de Mapa do Brasil, no chão indicando os grandes rios e bacias hidrográficas, além da rosa dos ventos. O local poderá ser utilizado para encenações e eventos relacionados com acontecimentos históricos. Nos 4 cantos, terão pavilhões semi-cobertos com restaurantes de comidas típicas e artesanatos.


5 – Planetário Indígena: Ainda será debatido com o povo da região. Local para mostrar o conhecimento dos índios ligadas a astronomia.


6 – Oásis: Uma calçada de 10m vai ligar a Praça das Sombras, local com estrutura de eucaliptos, bambus e taia, após esse local, um jardim com plantas típicas do cerrado além de caixas de vidro, espaços para exposição, cafés e BWCs, além de espelhos d’agua.


Fonte: Acervo de pesquisas de Cristiane Poleto, Corretora de Imóveis da Lopes Royal (Creci 11.104), especialista em vendas de apartamentos e coberturas no Setor Noroeste.

Fonte:

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011