Cristiane Poleto
Brasília DF - 13/11/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

780 mil moram de aluguel no DF

21/10/11

Bookmark and Share

Resultado da grande demanda


Quitinetes e apartamentos até dois quartos têm maior valorização pela alta procura


Sheila Oliveira

sheila. olive ira@ jornaldebrasilia. com. br




De acordo com o Censo 2010, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 780 mil brasilienses vivem atualmente de aluguel.

A grande demanda fez com que o mercado imobiliário do Distrito Federal elevasse o preço dos imóveis mais procurados, tais como quitinetes e os apartamentos menores,

de um e dois quartos.




Segundo levantamento do Sindicato da Habitação do DF (Secovi), o valor do aluguel praticado nos contratos novos de uma quitinete na região do Plano Piloto, por exemplo,

está 18% mais caro do que o preçoanunciado há um ano. Mas os aumentos não foram registrados apenas no Plano Piloto. Em Águas Claras, os apartamentos de dois dormitórios tiveram reajuste de 20% no preço do aluguel, se comparado ao mesmo período do ano passado.  “Estes são os imóveis de maior liquidez, ou seja, alugar é muito

rápido, assim como a desocupação.


Geralmente, os contratos deste tipo de residência são de apenas um ano. Assim, o proprietário tem a chance de reajustar o valor do aluguel praticado no mercado”, explica Hermes Rodrigues Alcântara, presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis no DF (Creci).


VALOR QUE PESA NO BOLSO

Mas não é só o preço do aluguel que pesa no bolso. A soma das despesas que envolve condomínio e o Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU) contribui para

a redução do orçamento. “Gastos que muitas vezes são ignorados na hora de anunciar o valor do aluguel e que alguns inquilino se esquecem na hora de fechar negócio”, observa o economista Roberto Piscitelli.


Solução é dividir

Para muitos, a solução é alugar um imóvel maior e dividir os gastos com amigos ou colegas de trabalho. Caso do consultor do Ministério da Saúde Tiago de Souza, 32 anos, que há mais de um ano mora com amigos. “Com a divisão de despesas, consigo economizar mais de R$ 1 mil. Sem contar que ainda consigo morar em um apartamento bem localizado e espaçoso”, revela.


O diretor do Secovi-DF, Gilvan da Silva, admite que o aumento do valor do aluguel para os novos contratos deixa o consumidor brasiliense refém do mercado imobiliário. “Mas

acabamos reféns de tudo até mesmo da inflação de produtos e serviços”.




PESQUISAS

De acordo com a diretora de Locação da Beiramar Imóveis, Marimir Fernandes, os proprietários não especulam preços e todos os aumentos são baseados em pesquisas de mercado. “Comparamos com os anúncios de outros imóveis. O inquilino não é obrigado a aceitar o reajuste, após três anos de contrato. Mas o proprietário sabe que é  desvantagem perder um bom pagador em prol de um aumento”, conta.


SAIBA+


Direitos e deveres do proprietário (locador):

- Entregar o imóvel em condições de uso. Se o inquilino perceber qualquer problema após a locação, deverá comunicar o proprietário e solicitar o conserto, por escrito;

- Fornecer os recibos de pagamento do aluguel discriminado;

- Pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro complementar contra incêndio. Porém, se no contrato constar que essa obrigação é do inquilino, ele terá que cumprir o que foi estabelecido;

- No caso de apartamento, cabe ao proprietário pagar as despesas extraordinárias do condomínio:

reformas no prédio, fundo de reserva, troca de cabo de elevador etc;

- O locador tem direito a fazer uma revisão do valor do aluguel, de 3 em 3 anos, ajustando-o ao preço de mercado. A ação de revisão de aluguéis não é cabível quando o locatário se encontra na pendência de prazo para desocupação de imóvel;

- O proprietário que sempre recebe os aluguéis com atraso, sem cobrança de multa, está aceitando alteração tácita no contrato, ficando impedido de passar a cobrar multa por atraso, posteriormente;

- O locador não é obrigado a pagar à administradora de imóveis ou imobiliárias os custos com cadastro, contrato, anúncios e outros. Se tais despesas não estiverem claramente previstas nocontrato de prestação de serviços.


Direitos e deveres do inquilino (locatário):

- Pagar pontualmente o aluguel no prazo e local estipulados;

- Utilizar o imóvel conforme determinado em contrato (se para fins residenciais, não poderá ser utilizado para comércio);

- Restituir o imóvel, no final da locação, no estado em que o recebeu;

- Não modificar o imóvel sem o consentimento prévio, e por escrito, do proprietário;

- No caso de apartamento, cabe ao inquilino pagar as despesas ordinárias do condomínio;

- O Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU) não é de responsabilidade do inquilino. De acordo com a nova lei do inquilinato o proprietário

deve entrar em acordo com o locatário para saber quem vai arcar com esta despesa;

- O inquilino pode descontar dos aluguéis mensais o valor pago, ao condomínio, a título de despesas extraordinárias e fundo de reserva;

- O locatário não está obrigado ao pagamento de despesas de cadastro, contrato, anúncio etc. Essas despesas deverão ser suportadas diretamente pelo proprietário do imóvel, ou, pela administradora.


Preço médio dos imóveis residenciais para locação (em R$)



 

Fonte: http://jornaldebrasilia.com.br

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011