Cristiane Poleto
Brasília DF - 20/01/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

Orla do Lago Paranoá será revitalizada

26/01/09

Bookmark and Share

Veículo: Correio Braziliense                                                           Data: 21/01/2009

 

 

Lago Paranoá

Orla de Cara Nova

 

Governo promete tirar do papel projeto que revitaliza algumas áreas que ficam às margens do espelho d’água. Trabalho começará pela Concha Acústica. Outros dois pontos de lazer serão criados este ano.

 

Pelo novo projeto, Concha Acústica terá marina pública, quiosques e restaurantes. Já no Lago Sul, a novidade será o Parque da Asa Delta

 

O Lago Paranoá é a praia da capital federal. Em suas águas despoluídas, os brasilienses nadam, velejam, navegam ou simplesmente admiram o horizonte. Mas o acesso ao espelho d’água ainda é para poucos. A maior parte da margem do lago está tomada por clubes particulares ou mansões. A maioria das áreas públicas está abandonada e sem infraestrutura. Para reaproximar a população do Lago Paranoá e criar novos pontos turísticos em Brasília, o governo vai retomar o Projeto Orla, idealizado há 13 anos mas esquecido na

última década. Até o fim deste mês, será lançado o edital de licitação das obras de revitalização da Concha Acústica, que terá uma enorme marina pública, além de quiosques, bares e restaurantes. Outros dois pontos de lazer também ficarão prontos este ano e novos estudos estão e mandamento para a  ocupação de mais áreas à beira-lago.

 

O Lago Paranoá tem 42 km² de extensão e, por conta da beleza do espelho d’água, a capital federal tem a terceira maior frota náutica do país. São mais de 6 mil embarcações registradas, apesar de a cidade estar a 1,2 mil quilômetros do mar. Mas, hoje, as únicas áreas com acesso organizado e seguro ao espelho d’água são o Pontão do Lago Sul, que foi entregue à iniciativa privada,

e a Ermida Dom Bosco, onde é possível nadar ou caminhar às margens do lago.

 

Para dar nova vida à área da Concha Acústica, o governo local vai investir R$ 11 milhões na revitalização e urbanizaçãodo local, que terá 1,3km de pista de cooper, seis restaurantes e cinco quiosques (veja arte). Uma marina pública será construída no formato da base onde está localizada a estátua de Juscelino Kubitschek no Memorial JK. Os lotes dos restaurantes já foram todos vendidos pela Companhia Imobiliária de Brasília(Terracap), em 1997, e os quiosques serão licitados pelo governo com base na nova legislação. “Os empresários não tinham interesse em construir nos terrenos porque a área estava abandonada. Agora, com a revitalização, a Concha Acústica voltará a ficar movimentada”,destaca o secretário de Obras, Márcio Machado.

 

A Concha Acústica tem capacidade para cerca de 10 mil pessoas. A arquitetura foi planejada para garantir uma bela vista para o lago de qualquer ponto da plateia. Apesar de ser um espaço privilegiado para shows, eles são raros. “Vamos transformar a Concha Acústica em um lugar para a divulgação da cultura de Brasília. Artistas e bandas da cidade, assim como a população, precisam desse espaço”, justifica o gerente do Projeto Orla no GDF, Heleno Carvalho.

  

Ponte JK

Desde sua inauguração, há quase sete anos, a Ponte JK virou o principal cartão-postal de Brasília. Apesar do sucesso do monumento, os brasilienses têm pouca oportunidade de usufruir da ponte e do Lago Paranoá. Toda a área entre o monumento e o Setor de Clubes Sul será urbanizada.

 

O GDF vai investir R$ 2,4 milhões para tirar do papel o Projeto Beira Lago. Ao todo, 43 lotes na região já foram vendidos e alguns restaurantes já funcionam no local, usando como atrativo a vista para o lago. Haverá lojas, com foco nas atividades náuticas, e uma grande marquise à beira-lago. “A revitalização da orla faz parte do programa de governo. O lago tem sido pouco explorado e recebeu poucos investimentos nos últimos anos. Agora, vamos mudar essa realidade”, destacou o secretário Márcio Machado.

 

 

 Um espaço para todos

 

Democratizar o acesso ao Lago Paranoá e urbanizar as suas margens, preservando o espelho d’água e a natureza. Esse é o desafio do governo com a retomada do Projeto Orla. Até o final do ano, três polos serão inaugurados.

 

Também na Asa Norte será construído o Parque da Enseada, na área entre o Iate Clube e o Centro Olímpico da Universidade de Brasília(UnB). Oespaço, atualmente abandonado e tomado de lixo e mato, terá uma grande área para shows ao ar livre e três marquises para a circulação de pedestres.

 

no Lago Sul, a grande novidade, também para este ano, será o Parque da Asa Delta, que será feito ao lado do chamado Morro da Asa Delta, na QL 14. O parque existe, mas não oferece infraestrutura. O acesso é difícil e não há opções de estacionamento. “Ao lado do parque, há uma área que será reservada para o uso do Pelotão Lacustre, para que a polícia tenha mais espaço e estrutura para fiscalizar o lago. A ideia é fazer ainda um campo de bocha”, explica o gerente do Projeto Orla, Heleno Carvalho. (HM)

 

Fonte:

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011