Cristiane Poleto
Brasília DF - 19/07/2018

Destaques

Imprimir   Diminuir Fonte   Aumentar Fonte

Aluguel - O patrimônio em boas mãos

24/07/11

Bookmark and Share

O patrimônio em boas mãos


Deixar o imóvel sob a responsabilidade de uma imobiliária proporciona vantagens. Segurança, comodidade e experiência no mercado são os pontos principais que os locadores de imóveis têm a seu favor



     Redação Jornal da Comunidade





Disney Antezana, proprietária de imóveis, acha que imobiliária lhe dá mais segurança e a certeza de que tudo será bem feitoFoto: Mary LealDisney Antezana, proprietária de imóveis, acha que imobiliária lhe dá mais segurança e a certeza de que tudo será bem feito


A experiência na negociação, a credibilidade e o conhecimento do mercado, bem como o apoio jurídico na elaboração de contratos, são pressupostos para um proprietário que busca uma venda ou locação do seu imóvel sem problemas. Disney Antezana é a favor da imobiliária. “A gente tem de ser realista e contratar quem entende, quem conhece. Me dá muito mais segurança, confiança e a certeza de que o trâmite será correto. Tenho um imóvel alugado e estou reformando outro para deixar sob o encargo da imobiliária”, comenta a proprietária.


Alex Braz, gerente do departamento de revenda da Paulo Baeta Imobiliária, diz que a principal vantagem é a segurança da família e do patrimônio. “Já vimos várias histórias de pessoas de ma-fé que usam o expediente de aproveitar a visita ao imóvel para roubar o proprietário. A nossa imobiliária traça um levantamento do perfil do cliente e, com isso, podemos fazer uma seleção de quem deve ou não conhecer o imóvel, levando somente pessoas com potencial, o que evita especulação e curiosos”, explica.


Existe um órgão que se encarrega de fiscalizar, regulamentar e penalizar este profissional, o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci). É ele que ratifica a percentagem, estabelecendo limites mínimos de honorários. Para venda de imóveis urbanos, por exemplo, o percentual varia de 6% a 8%; para rurais, de 6% a 10%; para industriais, de 6% a 8%; e venda judicial, 5%. Na formalização do contrato de prestação de serviço feito entre o proprietário e a imobiliária, fica estabelecido um percentual de honorários no qual a imobiliária rateia o valor para a equipe que efetivou a negociação.


No caso de comercialização, o vendedor irá pagar para a imobiliária contratada 5% de comissão sobre o valor da venda. Em locação, o cliente pagará à imobiliária um aluguel, nos casos em que a imobiliária não vier a administrar o imóvel. Do contrário, ela receberá 50% do primeiro aluguel e 10% nos demais meses para administrá-lo.


“Na locação de imóveis residenciais, comerciais ou na venda dos mesmos, as vantagens de se ter uma empresa imobiliária administrando são para evitar, prevenir e solucionar qualquer conflito decorrente da relação estabelecida entre proprietário e inquilino”, acrescenta a corretora de imóveis Liene Leão.



Agilidade e eficiência

A imobiliária também pode ser muito ágil e eficiente para resolver a situação do cliente. “Aconteceu recentemente, quando um cliente precisava vender um imóvel com muita rapidez e nos procurou. Em dois dias efetivamos a negociação”, conta Alex. Além disso, situações de estresse são evitadas. As imobiliárias dispõem de uma equipe exclusiva para atender os clientes a qualquer hora. Os integrantes da equipe têm conhecimento de tudo, já que um contrato mal-escrito pode fazer com que a negociação não se concretize, haver atraso nos pagamentos ou, ainda, custar ao cliente muito dinheiro em reparos e correções de cláusulas mal-elaboradas. Na venda, quem entrega seu imóvel a uma imobiliária competente evita ter de atender vários interessados, inclusive sem condições e sem o perfil para a compra.


Evite problemas com os maus inquilinos


Leonardo Aguiar diz que já houve até roubo de falsos interessados em imóveisFoto: Dinah FeitozaLeonardo Aguiar diz que já houve até roubo de falsos interessados em imóveis

A corretora de imóveis Liene Leão diz que há como evitar transtornos. Ou resolvê-los. “Temos muitos casos de clientes que, depois de uma administração autônoma, nos procuram para ajudá-los a desfazer a locação porque deixaram de receber o aluguel ou o locatário não pagou as taxas de IPTU, condomínio, água ou luz ou que estejam fazendo mal uso do bem, depredando o imóvel, sublocando-o ou que se neguem a desocupá-lo e, pior ainda, tudo isso junto. É um trabalho e tanto regularizar essa locação e muitas vezes o único remédio possível é o jurídico, por meio de uma ação de despejo, e, após providenciar um novo inquilino, dessa vez fazendo uma análise criteriosa de seu cadastro amparado nas modalidades de fianças locatícias permitidas por lei”, enumera.

Leonardo Aguiar de Vasconcelos, diretor da Imobiliária Aguiar de Vasconcelos, afirma que sua empresa arcará com todos os custos caso não haja venda ou aluguel do imóvel. “Além disso, nos encarregamos da feitura de anúncios em jornais, revistas, internet, colocação de placas, se for o caso, bem como do atendimento dos interessados. Filtramos os clientes com o perfil e potencial para compra e/ou aluguel, evitando visitas desnecessárias ao imóvel e perda de tempo para as partes”.


Outra questão citada pelo diretor se deve ao fato de que os compradores ficam mais à vontade para tratar diretamente com a imobiliária (terceiro não diretamente envolvido nas questões emocionais dos proprietários), para expor suas necessidades e sugestões, “sem, contudo, melindrar os proprietários”, diz. “Já houve muito disso, inclusive o caso de um interessado que apresentou cadastro falso para a locação e a imobiliária, com longa experiência no assunto, identificou a fraude e evitou a contratação de risco”, conta Leonardo.


O Sindicato da Habitação (Secovi) divulgou as vantagens de se contratar uma imobiliária por meio de uma cartilha. Nela há tópicos que ensinam o que os corretores e as empresas fazem com o imóvel do interessado, como: avaliar o preço do aluguel, colocar placas no local, fotografar e divulgar o imóvel em jornais, flyers e pela internet; fazem relatórios de visita e, em alguns casos, acompanham os interessados até o local. Na imobiliária há seguro contra incêndio, análise cadastral criminosa e contrato. Elas também checam as contas de água, luz, IPTU, etc, para ver se estão em dia. As imobiliárias também controlam e supervisionam o pagamento de taxas e encargos, disponibilizam assessoria jurídica, prestam consultoria mercadológica e emitem, ao final de cada ano, dados para o imposto de renda.


O imóvel em boas mãos

Tanto Liene Leão quanto Alex Braz, especialistas do ramo, afirmam que o primeiro passo para viabilizar o negócio com uma imobiliária é formalizar a autorização com o contrato de prestação de serviço junto à imobiliária, de acordo com a resolução do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci) nº 458/95, em seu Artigo 1º, que diz: ...”somente poderá anunciar publicamente o corretor de imóveis, pessoa física ou jurídica, que tiver, com exclusividade, contrato de intermediação imobiliária”.


O segundo passo é analisar as documentações para saber se o imóvel está em condições de ser comercializado e se não existe ônus sobre o empreendimento ou os proprietários. A imobiliária auxilia neste quesito também. Em seguida, deve-se estabelecer o valor do aluguel, a taxa de intermediação, duração do contrato de locação e os serviços oferecidos, tais como a divulgação do imóvel (através dos vários canais de comunicação), controle e supervisionamento de taxas e encargos, assistência jurídica, consultoria de mercado, emissão de extrato mensal para o proprietário e anual para a declaração do imposto de renda.


E, somente após estes passos, firma-se uma autorização exclusiva de venda. “Às vezes, há clientes que divulgam o imóvel em várias imobiliárias. Quando inúmeras empresas anunciam o mesmo imóvel, cria-se certa insegurança para o comprador, que não sabe com quem irá tratar para iniciar negociação, os preços podem variar e caso tenha algum problema, não se sabe a quem procurar”, explica Leonardo.


Por último, a imobiliária inicia o trabalho de divulgação nas diversas mídias, com fotos e informações e, também, por meio de e-mail e  marketing para seus clientes fidelizados, sem contar as responsabilidades assumidas com os gastos da unidade e seguros contra quaisquer problema.


Fonte: http://comunidade.maiscomunidade.com/conteudo/2011-07-23/imoveis

Imóveis


Documento sem título Linked in
Especialistanet © 2011